domingo, 19 de setembro de 2010

Borboletas borboleteantes

O professor e escritor catalão Jorge Wagensberg, em seu livro Pensamentos sobre a incerteza (Saraiva, 2010), faz uma curiosa observação etimológica e entomológica. Chama nossa atenção para o fato de que as borboletas batem suas asas várias vezes em diferentes idiomas, multiplicando sílabas, asas bilabiais, fricativas, constritivas e oclusivas.
Será papallona (catalão), mariposa (castelhano), pinpilinpauxa (basco), papillon (francês), farfalla (italiano), butterfly (inglês), Schmetterling (alemão), baboqka (russo), kelebek (turco), parpar (hebraico), petalouda (grego), kipepeo (suaíli), fluture (romeno), pillangó (húngaro), liblikas (estoniano)...

Temos em português, além de "borboleta", a palavra "panapaná", que nasceu do tupi panã ("bater"). O bater das asas da borboleta suscita a palavra panamã. E diante de um bando de borboletas, as sílabas também se multiplicam: panapaná.

Quanto a "borboleta", há controvérsias. Uma hipótese, na mesma linha onomatopaica, é que proveio de papilio ("borboleta", em latim), com percurso borboleteante não muito claro. Outra possibilidade, com motivações visuais, conforme José Pedro Machado em seu dicionário etimológico, é ser reduplicação em tom afetivo de bellus ("bonito", "encantador", em latim). Teríamos tido então *belbellita (um diminutivo), que resultou em "borboleta" a partir do século XIV.

4 comentários:

Débora Garcia Tavares disse...

Amo as borboletas!!!
Interessante! Muito bom saber.
Abraços

Anônimo disse...

"Sou uma Borboleta em constante metamorfose"
Mahaila Janan

Vera Morais disse...

Gostei e recomendei em meu blog :-D

Fábio Alves disse...

Isso é muito interessante! Obrigado por compartilhar.